Advento : Acolhida ao Amor que nos ama e desce até nós
Ir. Maria Clara Sacquegno Discípula de Jesus Eucarístico
É maravilhoso pensar quanto o Amor nos amou, descendo até nós! É estupendo contemplar o fulgor de Deus no Menino da manjedoura que nos abre os braços em, um sublime gesto de amoroso e clemente encontro entre o Absoluto Deus e o pequeno e pobre pecador! O Advento é verdadeiramente o tempo para preparar no íntimo do nosso ser, este misterioso e emocionante encontro. Tempo em que a humanidade toda está convidada a aproximar-se reconhecendo Deus no Filho bendito da Virgem Maria, ajoelhar-se e adorar o nosso Salvador.
“ Na encarnação do Filho de Deus, nós reconhecemos os inícios da Igreja. É daí que tudo provém. Toda realização histórica da Igreja e também toda sua instituição deve se refazer àquela originária Nascente. Deve refazer-se a Cristo, Verbo de Deus encarnado. É Ele que nós sempre celebramos: o Emanuel, o Deus-conosco, por meio do qual se cumpriu a Vontade salvífica de Deus ” – Bento XVI
Refletindo sobre este grande mistério, nós estamos nos preparando para viver intensamente o tempo propício do Advento, que nos revela e prepara a receber o infinito amor de Deus: o valor supremo da caridade, do amor é o carisma maior que deve ser descoberto e vivido cada dia mais, sabendo como diz o Apostolo que tudo passa no mundo, na nossa vida= na eternidade só o amor permanece. Com efeito, Jesus Cristo vem para nos mostrar, guiando-nos com seus exemplos e palavras, o caminho do amor neste nosso passar pelo mundo, pela vida; por isso na nossa caminhada nós devemos encarnar o Amor, sendo os bons samaritanos nas estradas da humanidade.
É importante, por isso, descobrir e escolher os caminhos que nos levam a ele, e com Ele e por meio d’Ele nos levarão à felicidade, à realização da nossa vida, que no Amor encontrará a Luz, e vivenciar a mensagem de Belém e a paz que os Anjos ali anunciaram, como promessa, aos que com boa vontade abraçarão o Evangelho, o Verbo de Deus que nos liberta das escravidões pecaminosas que afligem a nossa caminhada. Desta forma seremos Igreja, aquela Igreja que nos transmite a Graça e que é a Esposa amada do Senhor.