Eu te vi no jardim
Ir. Rosane Cordeiro Fiúza Discípulas de Jesus Eucarístico
Tu és o jardineiro que me deste a vida! Quando pronuncias o meu nome, lembro-me de como no jardim brincávamos, de como à tardinha juntos passeávamos! Lembro-me também, de como saí de lá, e de como agora vejo a possibilidade de voltar! Com a Tua Ressurreição, me devolveste a minha origem, o meu lar; um jardim onde a serenidade e a paz têm seu lugar! Um jardim onde novamente eu me sinto livre e feliz, onde eu posso brincar de roda sem me importar com a idade, onde eu posso pular e cantar, onde eu sinto que a minha origem é cuidar e amar! É! Eu te vi no jardim e contigo e novamente passeei e correndo a todos te anunciei! Tu me resgataste e eu muito te amei! Hoje espero à tardinha para teus passos ouvir; quando os ouço não preciso mais me esconder, pois me ressuscitaste contigo e me ensinaste a viver!
Ò grande jardineiro, criador e salvador; desperta em todos o desejo de para o jardim voltar; pois para isto nos criaste. O jardim é nosso lar!
Senhor, tu criaste o mundo e viste que tudo era bom. E quando me fizeste, me cumulaste de dons. Deste-me por lar um jardim. Nele, somente o fruto da ciência me era proibido, enquanto os demais me eram gratuitamente oferecidos. Mas, por ambição, comi daquele fruto! À tardinha, como de costume, percebi teus passos, tive medo, escondi-me por covardia, pois do jardim eu não cuidei naquele dia! Pensei que com aquele ato me encheria de sabedoria, mas veja! Até meu irmão eu matei! Então, da tua presença resolvi me afastar. Vaguei pelo mundo, sem rumo, sem direção. Tinha saudades do jardim, e pensava que para lá não voltaria, andei errante em extrema agonia! Quiseste me resgatar; e igual a mim te tornaste; e quando todos me apedrejavam me perdoaste!
Teu amor eu provei; lavei teus pés com belo aroma; e tu andaste comigo me ensinando como ser humana! Teu amor foi pelos homens incompreendido, tu foste julgado como um bandido. Amaste-nos demais e preço alto tiveste que pagar; entregaste tua própria vida para a minha salvar! Não compreendi tua morte, e a chorar lamentando fiquei; mas bem de madrugada em teu túmulo cheguei! Grande susto eu levei! O túmulo estava aberto; não tive coragem de entrar; mas dois anjos me disseram que vivo tu estás! Mas eu estava como que cega; pensei que teu corpo haviam roubado; mas os anjos insistiram que tu havias ressuscitado! De repente me deparei com alguém; Alguém parecido com um jardineiro; Alguém que desde a criação me és companheiro! E eis que pronunciaste meu nome: e desde então não tenho mais dúvidas!
“Se você não cuidar do seu jardim, quem irá cuidar do seu jardim”?