Sinal do Reino
Eu te louvo, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque ocultaste essas coisas aos sábios e entendidos, e as revelaste aos pequeninos. Mt 11,29
O pão, em sua originalidade é comunhão. O grão de trigo, cuja existência se origina em Deus, é germinado no seio da terra, robustecido pelo irmão sol, nutrido pela irmã água, cuidado pelo irmão agricultor, colhido pelo irmão ceifeiro, triturado e moído com outros grãos, trabalhado e modelado pelo irmão padeiro e levado para a mesa para saciar a necessidade de alimento do nosso corpo. O Pão Eucarístico nasce a partir desta realidade e quer congregar todos os que tem fé à unidade do Corpo Místico de Cristo. Foi o Mesmo Jesus quem disse: “ Onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, eu mesmo estarei no meio deles ”. E disse também: “Fazei isto em memória de mim”. No milagre de um grão que se une a outros grãos para saciar a nossa fome, Deus, em sua sabedoria, se faz presente para alimentar-nos e permanecer conosco. Nosso Deus é um Deus peregrino. Acampou no deserto com seu povo e encheu a vida do povo de paz. Caminhou conosco em nossa história e no fim de sua missão quis permanecer conosco na forma de um pão.
Ir. Rosane Cordeiro Fiúza Discípula de Jesus Eucarístico
Na silenciosa presença de Jesus Eucarístico sentimos a suavidade da brisa, o sussurrar do vento, o encantamento da rosa, a luz do luar e a ternura do calor materno. Porque a Eucaristia nos congrega na unidade do cosmos e nos permite aproximar de Deus de uma forma humilde e sublime.
No deserto ele viveu em tendas e humildemente acompanhava o povo em sua realidade peregrina. Encarnado também acompanhou o povo, esteve ao lado dos menos favorecidos. Amou a todos sem distinção: ricos e pobres, sãos e doentes. Lutou pela justiça e ao lado dos injustiçados ganhou muitos inimigos. E antes de morrer, surpreendeu a todos em sua entrega total. Hoje, Ele continua acampado na Palavra, nos Sacrários e em nossos corações. Continua acolhendo a todos, continua buscando justiça, oferecendo sua alegria e sua paz. A Eucaristia é, sem dúvida, o maior sinal da implantação do Reino de Deus. Acredito que quando Jesus diz “O meu Reino não é deste mundo”, está se referindo aos que não tem fé na sua pessoa e no seu projeto; porque uma das razões principais na existência de um reino é a presença do rei. Ora, se nosso rei está ressuscitado e permanece conosco por meio da Eucaristia, como é que o Reino de Deus pode não existir? Portanto, o Reino de Deus existe e foi inaugurado por Jesus, que continua seu reinado na forma de um Pão substancioso que nos alimenta e nos sustenta em nossa caminhada.
No perfume suave da brisa, na música sussurrada pelo vento, na singeleza da rosa, na delicadeza do brilho do luar, na ternura da mãe que acalenta seu filho... semelhante a todas estas realidades é a amorosa Presença Eucarística do nosso Deus-Salvador. Na Celebração Eucarística, Ação de Graças por excelência, nosso Deus-Trindade-Santa se comunica com o Universo inteiro em favor da humanidade. O grão de trigo germinado no seio da terra torna-se, pelas mãos humanas um saboroso pão. Num milagre, nosso Salvador que em determinado tempo se encarnou na história e assumiu a nossa forma humana, de novo, assume a carne sob os sinais eucarísticos do pão e do vinho, seu Corpo e seu Sangue, e se torna alimento que sustenta a nossa caminhada.