Prólogo da Palavra-Caminho
No princípio... ... no princípio era a Palavra ! DABAR – Palavra-Hálito, força criadora por meio da qual Deus-Pai criou todas as coisas e chamou à ser tudo o que não era. A Palavra brincava de esconde-esconde com Deus no Paraíso, era-lhe companhia, gozo e inspiração.
Um dia , começou a brotar no coração de Deus um DESEJO insistente e inquietante: o de que a sua Palavra fosse comunicada e circulasse para além dos contornos da Trindade, expandindo-se cada vez mais até tocar a interioridade dos corações dos seres aos quais havia criado.
Percorrendo toda a criação , considerou a pessoa humana, o único ser capaz de acolher, compreender e participar do dinamismo criativo de sua Palavra . Foi assim que Deus entrou na história, começando, assim, a aproximar-se cada vez mais do homem e da mulher através das mais criativas, diversificadas e inusitadas maneiras de comunicar-se.
Ir. Andréa dos Santos Lourenço Discípula de Jesus Eucarístico
Em Jesus de Nazaré, a Palavra fez-se VERDADE: Através de sua pregação e práxis a Palavra tocou com mãos ternas e acolhedoras os homens e mulheres sedentos e famintos de verdade e vida. Aproximando-se, sobretudo daqueles e daquelas excluídos, considerados menos, aniquilados em sua dignidade: Sentou-se à mesa e comeu com eles, aliviou suas dores, curou suas feridas, restituiu-lhes a dignidade e trouxe-lhes libertação. Em Jesus de Nazaré, a Palavra fez-se CAMINHO: Mediação, ponte de ligação entre a pessoa humana e Deus, entre a pessoa humana e ela mesma, entre a pessoa humana e os outros seres, seus semelhantes, entre a pessoa humana e a criação. A todos aqueles que o seguem como caminho, Jesus confere a missão de tornarem-se setas indicadoras para ele, O CAMINHO que conduz ao Pai, tornando-os Discípulos Missionários a fim de que N'Ele, toda a humanidade tenha cada vez mais VIDA em abundância.
Em Jesus de Nazaré, a Palavra fez-se VIDA: apresentou de maneira clara o projeto de Deus para a vida humana, inaugurou o Reino, ofereceu uma proposta nova de relação do homem com Deus e do homem com o próprio homem, através de relações geradoras de vida.
Ora os seres humanos acolhiam sua DABAR , ora a rejeitavam, pois Deus quis que a eficácia da sua Palavra respeitasse o espaço da liberdade humana, pois a pessoa havia sido criada à sua imagem e semelhança: livre, inteligente, com a capacidade de fazer opção pelo amor na liberdade. Como a criatividade em Deus é infinita como ele mesmo, na Plenitude dos Tempos , atingindo, assim, o ápice da entrega e da comunicação da sua Palavra , Ele resolveu revestir a Palavra de carne... ... e assumindo a carne, a Palavra tornou-se Pessoa Humana – Jesus de Nazaré : “Com efeito, por sua encarnação, o Filho de Deus uniu-se de algum modo a todo homem. Trabalhou com mãos humanas, pensou com inteligência humana, agiu com vontade humana, amou com coração humano”. (Cfr. GS 22) E a Palavra se fez Carne, e habitou entre nós (Jo 1,14)