Silêncio orante: O perfume de Deus
Todos nós gostamos de um cheiro bom. O perfume suave normalmente nos atrai, o perfume forte demais e o cheiro ruim nos repelem. Tudo tem um cheiro: as plantas, as flores, os animais, o homem, a poeira, a terra molhada, as queimadas... Ora, se as criaturas têm um cheiro, um perfume! Qual é o perfume de Deus? Para mim o perfume de Deus é o silêncio orante, aquele silêncio que o profeta Elias experimentou no monte Horeb: “passou o furacão, o terremoto, o fogo, mas em nada disto estava o Senhor. O Senhor estava na brisa suave”, manifestação do silêncio orante de Deus no silencio orante do profeta.
E mais. O profeta Oséias diz à sua amada: “Venha, vou seduzi-la e conduzi-la ao deserto, onde lhe falarei ao coração”. O deserto é o lugar da vivência interior do silêncio orante, ou seja, do encontro com Deus. Deus nos convida a sentirmos o seu perfume, a experimentarrmos o silêncio orante, a fazermos a experiência dos profetas. O silêncio orante não é um silêncio obrigado, não é expressão de morte. Ele é um silêncio aceito, escolhido, alegre, sereno e livre, ele é expressão de vida. Quem faz a experiência deste silêncio sente realmente o perfume e o frescor da brisa que o profeta Elias experimentou. Quem faz a experiência deste silêncio sente Deus falando-lhe ao coração. Não devemos pensar que o perfume de Deus é algo imaginário ou que Ele é para poucos. Ele é para todos e não faz distinção de pessoas, ele não é imaginário, mas é real e para os que têm fé a sua manifestação é clara e evidente na Santíssima Eucaristia. Na Eucaristia temos um Deus de silêncio orante, que se manifesta ao silêncio orante do homem. O cheiro silencioso do pão e do vinho é uma forma de não agressão da parte de Deus. Deus se manifesta ao homem de uma maneira suave e agradável, a Eucaristia é a manifestação do perfume de um Deus que para alimentar o homem quis ser alimento nas formas que agradasse ao homem. O silêncio orante não permite a acomodação do homem. No frescor da brisa suave Deus nos fala ao coração e nos dá uma missão. E como alimentou o profeta Elias, Ele mesmo nos alimenta com seu Corpo e Sangue, para que tenhamos a mesma coragem do profeta para cumprirmos as propostas do amor e colaborarmos na expansão do Reino. O cheiro Eucarístico de Deus me fascina, me conduz, porque seu frescor alimenta-me e penetra meu corpo chegando até a minha alma. O silêncio orante de Deus é comunicativo e quando estou em sintonia com o silêncio orante de Deus me sinto como a samaritana que encontrou um Homem que sabia tudo a seu respeito e como ela me sinto amada, acolhida, respeitada e minha sede de permanecer com Ele em adoração só aumenta. Mas Ele mesmo me diz que seu perfume é movimento, a adoração deve se estender na vivência, na profecia, na comunhão com os irmãos. Permanecer no Monte Horeb é bom, mas o perfume de Deus deve ser esparramado por todos os lados e eu, você, nós somos os divulgadores do perfume de Deus. Numa sociedade barulhenta por tantos motivos, Deus nos convida a fazermos a experiência de encontrá-lo no silêncio do nosso coração e a transmitirmos o valor de um silêncio que não é mudo é simplesmente encontro com o absoluto dentro de nós mesmos. Há quem diga que silêncio não tem cheiro. Mas para quem entende o silêncio como oração ele tem o perfume do encontro, de um momento marcante, inesquecível, ele tem o perfume de Deus que vem na brisa suave respeitando a liberdade do homem e por isso somente quem quer fazer esta experiência sente o perfume de Deus.
Ir. Rosane Cordeiro Fiuza