Um encontro inesperado
Aquele dia estava ela pensativa; pensava na vida e isto a fazia ficar acabrunhada cabisbaixa, pois a vida que levara até então estava muito confusa, e com a mente nublada pegou seu cântaro e desceu ao poço de Jacó em busca de água, em busca de alívio. Ele por sua vez subia a Jerusalém e não querendo percorrer o caminho dos demais viajantes, passa pela Samaria. E também Ele cansado da viagem, pensando nas coisas que o aguardavam em Jerusalém, caminhou em direção ao poço, sentou-se em seu beiral e enquanto se refrescava à sombra das árvores ela se aproxima e para a sua surpresa se depara com Aquele judeu bem ali, em território Samaritano. Ela fica muito mais surpresa, muito mais confusa quando Ele ousa pedir-lhe de beber. Como dar-lhe de beber se Ele nem sequer tem um copo, um cântaro ou qualquer outra vasilha? Ele percebendo sua resignação lhe oferece a água viva, mas de onde vem esta água se também Ele manifesta estar com sede? Sim também Ele esta com sede! Sede de resgatar a humanidade, de apontar uma nova estrada a todos os homens. É por isto que a água Dele é diferente,
Ir. Rosane cordeiro Fiuza Discípula de Jesus Eucarístico
não se encontra em qualquer poço senão no poço do Amor e da verdade o poço da transparência e da confiança! A mulher diz a Jesus “ O poço é fundo...” É como se ela dissesse: “Senhor é difícil chegar até a água, assim como é difícil me saciar, já dei tantas voltas na vida buscando algo que me saciasse e nada me preenche; eu nem sequer compreendo minha sede, como posso lhe dar de beber? ” Jesus insiste “ Eu posso lhe dar a água que busca ..., Eu sei da profundidade do poço e sei o segredo do seu poço! ” A mulher se estremece; o que se passa em sua mente, em sua alma? Que sentimento experimenta revendo o filme da sua vida contado por Aquele homem Misterioso? Não podemos nem imaginar o que ela sente, mas é algo tão forte que a leva para o fundo do seu próprio poço e cria nela a coragem de ver a água que possui e o desejo de purificá-la. Aqui ela percebe que a água que o forasteiro lha oferece está dentro dela; já transformada ela o reconhece como profeta. Deixa então o seu cântaro; a narração não diz que ela tenha pegado água no poço de Jacó, talvez porque ela não precisasse mais daquela água, seu vazio existencial fora preenchido, era necessário anunciar aos outros a possibilidade que também eles poderiam preencher seus vazios. Quem vai ao poço busca: vida, repouso, encontro, sobrevivência, partilha, diálogo, amizade, água, Deus! O poço está dentro de nós! Que bom seria se também nós tivéssemos a coragem de nos sentarmos à beira do nosso próprio poço e percebêssemos a presença do forasteiro Jesus nos pedindo água, a nossa água! A sua presença, o seu poço oferecendo ao nosso poço a água viva que preencherá a nossa secura. Nossos poços! Todos eles têm água, umas águas mais claras outras mais escuras, umas doces outras salobras, umas com calcário outras sem, umas abundantes e outras tão poucas quase se acabando. Mas tudo isto pode ser transformado na presença Desse forasteiro sedento de nós. Que possamos permitir que Ele nos ajude a cuidar de nossos poços como Ele ajudou a mulher Samaritana, que a partir daquele encontro inesperado deu novo rumo à sua vida.