Chama viva de amor
São João da Cruz “Oh! Chama de amor viva que ternamente feres De minha alma no mais profundo centro! Pois não és mais esquiva, Acaba já, se queres, Ah! Rompe a tela deste doce encontro. Oh! Cautério suave! Oh! Regalada chaga! Oh! Branda mão! Oh! Toque delicado Que a vida eterna sabe, E paga toda dívida! Matando, a morte em vida me hás trocado. Oh! Lâmpadas de fogo Em cujos resplendores As profundas cavernas do sentido, - que estava escuro e cego, - Com estranhos primores Calor e luz dão junto a seu Querido! Oh! Quão manso e amoroso Despertas em meu seio Onde tu só secretamente moras: Nesse aspirar gostoso, De bens e glória cheio, Quão delicadamente me enamoras!”